TÁ TUDO CERTO

A gente muda mesmo, “mores”. A gente tá aqui pra viver, aprender, se reinventar. Qual seria a graça de ser sempre o mesmo? O melhor da vida é experimentar.

Num dia a gente espera pelo príncipe encantado, no outro a gente corre atrás daquele carinha só pra dar uns beijos. Hoje a gente não curte muito a combinação de água salgada com areia, amanhã a gente quer virar sereia. Ano passado a gente assistia carnaval pela TV, só pra criticar, e ano que vem a gente pode estar pulando na Sapucaí. Eu posso ter pânico de avião e amanhã querer viajar o mundo.

Sua família pode não concordar, sua vizinha pode comentar, seus amigos podem olhar meio estranho. Afinal, é difícil mesmo encontrar quem não tem medo de ser o que é, fazer o que gosta, com quem gosta, na hora que bem entender. Causa espanto. Essa tal de coragem é para poucos – felizes os que têm.

Ninguém pode te julgar por querer transformar o que te incomoda. E muito menos por se aceitar do jeitinho que você é. Tudo certo querer ficar em casa no sábado a noite, se é o que te faz bem. Festar o final de semana todo? Tá liberado também.

Tá tudo bem trocar a Medicina pela Arte. Ok se você já não se sente você com o que vê no espelho. Não faz mal repaginar o guarda-roupa, cortar o cabelo, fazer o que quiser no seu corpo. Não tem problema nenhum se arrepender por coisas que já fez ou disse (só não vale se martirizar). Tá feito, tá dito. Bora mudar.

Deixa a língua queimar, deixa a alma vibrar. Hipocrisia mesmo é a fala que mente, é não viver o que sente.

Nayara Rosolen

Facebook | Instagram do blog | Instagram pessoal |Twitter | Snapchat: nayrosolen

Hoje eu passei o dia refletindo. Lembrei de alguns momentos, fantasiei outros, mas não subiu o nó na garganta. Hoje não. Hoje eu poderia ter me me aborrecido por falta de consideração, me ofendido por coisas que se tornaram grandes demais em outra época. Hoje não. Hoje eu poderia mais uma vez ter ido atrás ou perguntado para aquela amiga em comum se tem tido notícias. Não, hoje não.

Hoje eu fui o que me tornei graças a tudo o que ele sempre tentou me avisar sobre os outros. Os outros que se tornaram ele – que nunca poderá ser comparado a ninguém.

Deixa Livre 

A vida é feita de ciclos que estão sendo abertos e fechados o tempo todo. Da mesma forma que coisas e pessoas são colocadas no nosso caminho sem que a gente possa esperar, também são retiradas sem se quer perguntar a nossa opinião.

Às vezes nos livramos, já em outras acabamos machucados. Na maioria das vezes dói para que depois a gente compreenda que foi a melhor solução. Mas nós nunca estamos preparados.

Já tive que deixar quem nunca me fez bem e ainda me causava cegueira. Existiram aqueles que mesmo sem qualquer pretensão dominaram partes de mim das quais eu nem tinha conhecimento. Na hora de dizer tchau o sentimento de perda foi tão grande quanto a certeza que eu tinha no começo de que não significaria nada. E, claro, não poderiam faltar os que eu já sabia que seriam problemas antes mesmo de começar. Foram dos grandes.

Em qualquer um desses casos, por mais distintos que pareçam ser, algumas etapas se tornam comuns. 1) Vocês encontram um problema 2) Rola uma luta para que o que foi construído seja recuperado 3) A negação do fim vem a seguir 4) A gente sofre 5) Isso se torna uma pequena cicatriz que nos torna mais fortes para o próximo capítulo 6) Prometemos que nunca irá cometer o mesmo erro novamente 7) Nós passamos por tudo isso de novo.

Isso não significa que somos fracos, muito menos ingênuos. Às vezes demoramos mais para aprender. Ou precisamos retomar a lição.

De qualquer forma, terminar algo é sempre doído. Muitas ligações são feitas durante o caminho, nos conectamos aos outros e, na maioria dos casos, cometemos um deslize: trancar a porta ao entrarem. A porta nunca deve estar fechada.

Pessoas não são propriedades, nós não somos donos de ninguém e nem temos o direito de tentar prendê-los a nós. Tão fácil na teoria não é mesmo? Difícil é abri-la quando já não faz mais sentido acumular dentro algo que não acrescenta em mais nada. Ou, na mais perfeita das situações, nunca sequer encosta-la.

Deixa aberto. Deixa livre. Deixa voar. Quem quer, de verdade, fica. Ou, pelo menos, acaba voltando. Se não voltar, não era seu. Ou então já teve o seu tempo.

Aceita a vai ser feliz.

Nayara Rosolen

Que ano! #EspecialQG

Dois mil e dezesseis: o ano em que tinha tudo para ser só mais um daqueles em que a gente olha para trás e diz “Mas já? Nem vi nada acontecer”. Quem dera, em alguns momentos, podermos apagar. Que bom que somos capazes de vários outros na memória poder guardar.

Foi com medo. De errar, de apressar, de ter que voltar, de não dar conta, de desistir, de não ser como eu imaginei. Nunca é. Às vezes decepciona, às vezes é bem melhor do que a gente sonha. E está aí a graça de viver tudo isso, de se jogar e acreditar em algo que a maioria das pessoas não dão a mínima. Esse ano eu fui felicidade, fui realização, gratidão, saudade e também decepção – faz parte. Fui principalmente construção, de coisas que já viviam comigo há anos.

Nos últimos 365 dias eu vi tristeza, vi tragédias, chegadas e partidas. Vi sorrisos, momentos compartilhados, sintonia que parecia ensaiada. Eu vi sonhos se realizando diante dos meus olhos. Mas, acima de qualquer coisa, eu vi mudança. Vi amadurecimento, crescimento de sementes que foram plantadas há muito tempo – e aprendi que cada coisa tem seu momento. Sabe quando você olha pra trás e pensa “nem acredito que isso está acontecendo”?

2016 foi a realização de tantos momentos passados e repassados na cabeça. Que, aliás, não foram como no roteiro. Ainda bem – ficamos abertos a tantas melhores possibilidades quando desapegamos de uma verdade que nós mesmos criamos e julgamos ser absoluta.
Respirei novos ares e conheci caras novas, o que que me fez decepcionar bastante. Mas aprendi que só assim a vida poderia me ensinar. Passei a selecionar. Não com quem me relacionar, mas o que doar de mim para cada um. Entendi que ninguém pode vir antes da gente e que engolir palavras faz tudo ficar amargo demais por dentro.

O final desse capítulo foi mais do que tudo: lição! Vamos para o próximo. Com medo mesmo. Mas com a certeza de que nada é em vão e de que tudo e todas as dificuldades, serão recompensados. Um novo ciclo se inicia a partir daqui.

Que em 2017 a gente viva tudo aquilo não conseguimos ou não nos permitimos viver em todos os anos anteriores. E que venham também os tombos, para que possamos nos tornar pessoas ainda melhores. Mas, antes de qualquer coisa, que a gente aprenda que quem faz o ano somos nós.

Ah, e que a gente nunca deixe de sorrir e agradecer em qualquer situação.

Nayara Rosolen

1

Conto de Natal: Palavras e Melodias (Parte 4)

(Leia a parte 3)

Leia escutando: Santa Tell Me – Ariana Grande

– A vovó foi, vovô? – perguntou curioso um dos garotos menores

– Era a vovó, não era? – ergueu a sobrancelha outro que estava ao seu lado

-Vocês se beijaram? – disse uma das meninas suspirando enquanto juntava as duas mãos

Augusto ria calmo com o bombardeio de perguntas vindas dos pequenos. Coçou sua barba rala no queixo enquanto percebia que toda a família havia se reunido para escutar a história com sua mulher. Suspirou cansado com um tom de saudade. Sorriu para todos eles e pareceu distante novamente enquanto concordava com o que perguntavam.

– Vovó era a mais linda da noite. Chegou no mesmo horário de sempre, mas tinha consigo uma luz muito maior do que eu observara antes. – disse o velho como se estivesse presenciando o momento.

Depois que todos os clientes haviam ido embora do restaurante, a morena misteriosa continuava em seu lugar de sempre. Augusto continuava tocando sem parar de observá-la. Parecia perdida em pensamentos e escrevia sem parar em seu bloco de notas. Encarou o barman quando percebeu que ele lhe dava um sinal e foi parando a melodia aos poucos. Ao se aproximar, o moreno que ia tirando o avental deu sorriso como se dissesse algo e apontou a cabeça para o lado da garota. 

– Feliz natal, rapaz. Não abuse muito, preciso delas de volta até as 11 da manhã. – disse entregando-lhe uma chave e saindo pelos fundos do restaurante

Augusto acenou com a cabeça sem saber o que falar, ficou olhando as chaves do estabelecimento em suas mãos por alguns segundos e as guardou no bolso lentamente ao olhar para a mulher de costas a sua frente. O local tinha se tornado grande demais apenas para os dois e poderia fazer eco, não fosse uma música que tinha começado a tocar como um sussurro nas caixas de som. Foi se aproximando aos poucos até sentar em um banco ao seu lado.

– Prazer, Augusto. – disse ele deslizando as mãos pelo balcão até a dela e puxando para dar um beijo. 

A garota olhou assustada dando um leve pulo no banco e colocando a outra mão sobre o lado esquerdo do peito. 

– Oh, desculpe! Vocês já estão fechando?

– Não… Quero dizer, sim, mas… É… – ele coçou a nuca e foi se levantando – Todos já foram embora, mas gostaria de lhe oferecer algo para beber. Percebi que você está aí há horas… – Começou ele já pegando algumas garrafas – E se você não se importar, tenho te observado já há alguns dias… O que uma mulher tão bonita está fazendo sozinha em um bar na noite de Natal? – ergueu uma sobrancelha e viu um sorriso surgir no rosto dela. 

Seu nome era Adelaíde, tinha 21 anos e estava na cidade para terminar um de seus livros. Augusto descobriu que cresceu órfã na periferia de uma das cidades mais populosas do mundo, São Paulo. Assim que começou a ganhar seu dinheiro e ficar conhecida por suas escritas, pegou fez as malas e saiu viajando pelo mundo para criar novas histórias. Nunca soube o que era passar datas importantes como essa em família, mas sempre acreditou na magia do Natal. 

– senti uma energia muito boa quando entrei aqui pela primeira vez e, espero que você também não se importe, mas sua música inspirou alguns capítulos. – disse ela um pouco desconfortável fazendo com que Augusto sentisse alguma coisa estranha vindo do seu estômago. E não era só a fome.  Adelaíde pediu insistentemente para que tocasse mais, até convencê-lo. 

– Você tocou essa música, vovô? – perguntou uma das crianças fazendo com que ele voltasse ao presente.

– Exatamente essa – assentiu com a cabeça e deu mais um sorriso carinhoso para os netos

– Ah é? E quando foi que aconteceu o beijo hein? – insistiu a garota dando uma piscadela para o avô. Todos em volta riram enquanto a filha mais velha de Guto a repreendia.

Augusto contou a noite que teve tocando enquanto sua futura mulher rodopiava pelo salão, a conversa sobre suas infâncias e os sonhos que de tão altos acabam trombando.

Deitados no meio do salão eles olhavam o teto estrelado feito pelas luzes. A cabeça da mulher encostada em seu peito fez com que seus olhos se encontrassem quando girou para cima. Ele tocou seu rosto e se aproximou dando um leve beijo receoso por sua reação. Ela sorriu e sua expressão acalmou-se. Olhando no relógio, já se passavam das cinco da manhã. 

– Quando vou poder vê-la novamente? – disse levemente ansioso 

– O meu voo para o Rio de Janeiro sai em 4 horas…

(Continua…)

Conto de Natal: Palavras e Melodias (Parte 3)

(Leia a parte 2)

Leia escutando: Santa Claus is coming to town – Michael Bublé

Nova York, 24 de dezembro de 1976.

Nas últimas três semanas, Augusto havia passado de bar em bar mostrando sua música para as pessoas. Em alguns casos até conseguia alguns trocados, já em outros mal ganhava uma refeição. Nada tinha começado tão bem quanto ele sonhava, mas uma oportunidade tinha aparecido e ele esperava que aquela fosse sua grande chance de começar a crescer.

Em duas ou três ocasiões tinha chegado a tocar em um dos bares mais renomados do bairro. De início, se sentiu fora da caixinha. As pessoas eram elegantes, daquele tipo que parece que já nasce com a postura ereta e calma, como se vivessem em slow motion. Trocavam olhares, alguns discretos sorrisos, mas na maioria das vezes não conseguiam enxergar quem tocava as melodias que usavam para trocar alguns passos com seus parceiros. De qualquer forma, era o tipo de gente que também poderia lhe proporcionar algumas grandes e boas oportunidades. E era li que passaria sua noite de Natal.

Saiu de casa um pouco antes do necessário, afim de conseguir conversar com sua família. Discou os números no primeiro telefone público que encontrou e sentiu seu peito apertar de saudade ao escutar a voz de sua mãe. Ainda que eles estivessem preocupados com o garoto, sabiam que nada o faria voltar atrás. Era teimoso e persistente. Depois de ficarem longos minutos naquele cansativo papo sobre ele estar se cuidando e a falta que fazia, desligou e correu o quanto antes para o trabalho.

Ao entrar pela porta viu que o lugar, que já era elegante, havia se transformado em uma cena de filme. As mesas todas com toalhas vermelhas e decoradas de acordo com a data, tecidos e mais tecidos desenhavam no teto caindo pelas laterais das paredes. Todos os funcionários estavam igualmente uniformizados e da cozinha vinha um cheirinho especial. Era cheirinho de Natal. Sentiu seu estômago roncar e passou a mão pela barriga rindo enquanto se dirigia ao piano. Estava brilhando como nunca.

Sentou-se no banquinho na frente das teclas e começou a tocá-las sem muito nexo. Seus dedos iam de um lado ao outro como se estivessem aquecendo para uma grande noite. E era. Mesmo sem pensar muito o garoto parecia tocar algo ensaiado. Quando menos percebeu, estava soando a mesma melodia que vinha martelando em sua mente incansavelmente há dias. Fechou seus olhos e podia imaginá-la ali, a garota de olhos misteriosos.

Ela aparentava ser da sua idade, talvez uns dois ou três anos mais velha. Sempre chegava no mesmo horário, por volta das 20h30. Mesmo muitos homens a oferecendo companhia para jantar, a resposta era sempre a mesma: um balançar de cabeça negativo e uma virada de costas. Ela pedia um ou dois drinks e mergulhava em seu bloco de notas, deixando o local bem próximo de fechar. Por mais que pudesse parecer grosseira com suas recusas, Augusto pensava que ela era uma dessas raras que gostariam de algo muito mais profundo do que apenas algumas palavras trocadas com um desconhecido que acabaria levando-a para a cama e se esquecendo de seu nome na manhã seguinte. Além do mais, aparentemente era a única que havia notado a presença do garoto enquanto tocava. Isso já havia se tornado rotina há alguns dias, quando aqueles olhos penetraram nos do músico pela primeira vez. Ainda que por poucos segundos, ele sentia que significava muito mais do que aparentava. E esperava acabar com essa agonia naquela noite, caso ela aparecesse. Ele torcia para que sim.

Abriu os olhos atentos ao ouvir o barulho alto das portas sendo abertas. Todos os garçons estavam posicionados e aos poucos foram se movimentando com a chegada dos clientes. Eles os direcionavam para suas devidas mesas que deviam estar reservadas. As reservas esgotaram 5 meses antes da data. Guto agradeceu por sua musa inspiradora gostar mais do bar do restaurante, que ficava livre para a chegada das pessoas.

A cada novo andar de saltos altos, girava a cabeça em alerta para a porta afim de reconhecê-la. O relógio marcava 19h37. Ao que tudo indicava seria uma grande e longa noite…

(Continua…)

Conto de Natal: Palavras e Melodias (Parte 2)

(Leia a parte I)

Leia escutando: Empire State Of Mind – Jay Z ft. Alicia Keys

Os pais de Augusto, Sr. e Sra. Rodriguez, nunca tiveram uma vida esbanjadora. O casal sempre batalhou muito para que pudessem dar o melhor aos seus dois filhos. Nina, apelido de Virgínia, irmã mais nova de Guto, sempre foi a mais racional. A menina gostaria de um futuro melhor, claro, mas sempre trabalhou muito ajudando os pais em uma pequena mercearia que haviam construído com muito esforço. Já o garoto, desde pequeno sonhava com o mundo das artes. Assim que ganhou seu primeiro concurso musical na escola, aos 7 anos, decidiu que era aquilo que queria para a sua vida. Era autodidata, aprendia tudo com livrinhos que ganhava da dona da banquinha que tinha na esquina de sua casa.

Entre uma ajuda e outra no carregamento de mercadorias com seu pai, corria logo para algum canto dedilhar seu violão já gasto – um presente de seu falecido avô. Em poucas semanas, ele começara a compor suas primeiras melodias. Era bom e sabia disso. Mesmo que os pais soubessem e o incentivassem, nunca puderam fazer muito para que ele crescesse na profissão. Utilizava instrumentos mais caros (pianos, saxofones, violoncelos e até bateria) da escola para praticar. Vivia pelas ruas da pequena cidade do interior do Texas, Fredericksburg, espalhando sua música. Nunca aceitou nenhum tipo de esmola, como ele considerava as ajudas que pessoas ofereciam em dinheiro. Queria mesmo era ir para os grandes centros e começar uma carreira como músico de verdade.

Quando completou 18 anos, o garoto se decidiu: iria embora para Nova York. Os pais acharam uma loucura. A irmã, embora triste, era a que mais acreditava que um dia ele seria um sucesso em todas as rádios e emissoras de televisão. Sem ligar muito para o que as pessoas diziam contra, pegou sua mala e seu violão e entrou no primeiro avião com a economia que havia feito nos últimos meses. Sobrou quase nada, mas ele acreditava que lá encontraria algo e daria um jeito de se sustentar.

Ao pisar em solo nova-iorquino, se sentiu engolido pelas luzes que refletiam para todo os lados. Dava voltas e voltas por si mesmo analisando cada detalhe de todos os cantos nos enormes outdoors. Publicidades, letreiros de grandes teatros e casas de shows, pessoas de todos os tipos, infinitos sotaques e línguas sendo faladas ao mesmo tempo na tão famosa Times Square. Parecia um sonho e era. Seu sonho se tornando realidade. As árvores enroladas em canos de luzes e os enfeites em verde e vermelho o fez piscar três vezes seguidas para garantir de que não estava dentro de um sonho, em algum filme com tema natalino que ele assistia quando criança. Era real. Ele estava ali, mesmo. Cercado por um mar de gente que o empurrava para lugar nenhum.

Depois de horas e mais horas andando por ruas, que se pareciam gigantescas do seu ponto de vista, o garoto encontrou escondida uma porta de madeira que carregava uma enorme placa onde dizia “Hostel”. Ao bater incansavelmente, foi recepcionado por uma menina que não passava dos 13 anos de idade. Ela tinha o olhar um pouco assustado, mas o acompanhou pelos quartos lhe contando como as coisas funcionavam por ali. Cada quarto tinha de 6 a 8 beliches e quase todos eles tinham tabelas com horários para banhos e refeições. Uma senhora surgiu depois se um tempo se apresentando como a dona do local e o encaminhou até seu devido quarto.

As pessoas pareciam ser legais, seus colegas de quarto o haviam recebido da melhor forma e o custo era acessível para o seu bolso naquele momento. Ainda assim, o garoto não pregou os olhos por sequer um minuto naquela noite. Ele olhava fixo para o teto  com as mãos apoiadas atrás da cabeça. Seu futuro começava ali. Só não sabia onde exatamente estava a linha de largada…

(Continua…)