#NayIndica Não se enrola, não – Isabela Freitas

Bom dia, lindjos!!!

Comecei o ano lendo um dos livros que tinham ficado enroscados na estante ano passado. Eu estava bem ansiosa para ler o terceiro livro da série Não se apega, não da Isabela Freitas. e quando finalmente consegui compra-lo estava naquela loucuras de final de semestre na faculdade. Não consegui ler. Cheguei ao segundo capítulo em dezembro, mas fiquei enrolada e acabei deixando de lado de novo. Semana passada decidi pegar e ler pra valer. Terminei em menos de dois dias.

Sobre a autora: Isabela Freitas, 25 anos, é autora dos best-sellers Não se apega, não, publicado em 2014, e Não se iluda, não, de 2015, que juntos venderam 1 milhão de exemplares. Sucesso nas redes sociais com seu blog isabelafreitas.com.br, a mineira de Juiz de Fora largou o curso de direito para se dedicar a literatura. Reside atualmente em São Paulo.

O jeito com que a Isabela escreve é simples, leve e muito fácil de se identificar. Ela vai nos levando de um fato ao outro sem nem perceber. Quando vi já estava lendo os agradecimentos e implorando para que tivesse mais história Hahahaha Isso porque ela consegue criar personagens muito humanos, com as mesmas neuras, os mesmo problemas e a mesma dificuldade para encara-los que a gente tem na vida real. Isabela e Pedro são meu shipp preferido dos livros.

Mas bem, falando desse especificamente, ela começa com uma lista, como nos dois anteriores. Nesse caso são as 20 regras para não se enrolar, que tem tudo a ver com tudo o que rodeia a historia.


Agora a Isabela mora em São Paulo, conseguiu uma vaga de colunista na revista Zureta e está escrevendo seu primeiro livro. Mesmo que tudo pareça perfeito, o maior problema da garota está bem  próximo, do outro lado do corredor do seu apartamento. Pedro Miller, seu melhor amigo (colorido agora), é também seu vizinho e continua mexendo com seus sentimentos mais do que nunca.

Pedro sai espalhando sua música pela cidade e surgem boas oportunidades para começar a construir uma carreira, com fãs e uma equipe só sua. Mas esse crescimento acaba trazendo alguns empecilhos, principalmente sobre a relação com sua melhor amiga e os dois precisarão enfrentar essas barreiras.

Confesso que são poucos os livros que me deixam angustiada ou me fazem não gostar de algum personagem a ponto de questionar, mas isso é uma das coisas que eu mais gosto nos livros da autora. Ela não faz parecer que é tudo um conto de fadas em que as coisas acontecem de forma perfeita e calculada.

Entre os capítulos tem algumas partes do livro que a personagem escreve e são basicamente reflexões sobre o que ela vive durante a história. A cada entrada de capítulo tem uma uma conversa como se fosse de WhatsApp que já nos diz sobre o que irá tratar sabe? Amei Hahaha

Como a própria autora disse em um vídeo do seu canal no Youtube, sua pretensão era ser uma trilogia, mas ela sentiu que Pedro e Isabela ainda tem mais coisas a nos contar, por isso podemos esperar pelo menos mais um livro. Espero que venha com tanto suspiro e angústia quanto esse veio Hahaha

Minha consideração final é de que o livro é tao incrível quanto os dois primeiros. Super vale a pena ler (todos eles, se você ainda não leu nenhum). Mal posso esperar pelo quarto livro.

1

Vou deixar vocês com uma definição super legal que a gente encontra no final do livro.

Enrolar-se: pensar de um jeito e fazer exatamente o contrário. Não sei por que a gente se enrola tanto. Diz o que não quer, não diz o que deveria e, quando se da conta, está ocasionalmente enfiando a língua na boca de alguém, sem saber ao certo que relacionamento é esse.

Convenhamos, meu cupido só pode ser surdo. Tudo o que eu pedi foi um amor fofo. Um amor coloridinho. Mas ninguém me disse que EU é que teria que colorir, né?

Sinceramente, esperava bem mais desse tal de amor.

Agora me contem, já leram algum da série? Qual o preferido de vocês?

Beeeijos,

Sigam-me os bons: Snapchat: nayrosolen ↠ Página do blog  ↠ Instagram

 

 

 

Anúncios

Deixa Livre 

A vida é feita de ciclos que estão sendo abertos e fechados o tempo todo. Da mesma forma que coisas e pessoas são colocadas no nosso caminho sem que a gente possa esperar, também são retiradas sem se quer perguntar a nossa opinião.

Às vezes nos livramos, já em outras acabamos machucados. Na maioria das vezes dói para que depois a gente compreenda que foi a melhor solução. Mas nós nunca estamos preparados.

Já tive que deixar quem nunca me fez bem e ainda me causava cegueira. Existiram aqueles que mesmo sem qualquer pretensão dominaram partes de mim das quais eu nem tinha conhecimento. Na hora de dizer tchau o sentimento de perda foi tão grande quanto a certeza que eu tinha no começo de que não significaria nada. E, claro, não poderiam faltar os que eu já sabia que seriam problemas antes mesmo de começar. Foram dos grandes.

Em qualquer um desses casos, por mais distintos que pareçam ser, algumas etapas se tornam comuns. 1) Vocês encontram um problema 2) Rola uma luta para que o que foi construído seja recuperado 3) A negação do fim vem a seguir 4) A gente sofre 5) Isso se torna uma pequena cicatriz que nos torna mais fortes para o próximo capítulo 6) Prometemos que nunca irá cometer o mesmo erro novamente 7) Nós passamos por tudo isso de novo.

Isso não significa que somos fracos, muito menos ingênuos. Às vezes demoramos mais para aprender. Ou precisamos retomar a lição.

De qualquer forma, terminar algo é sempre doído. Muitas ligações são feitas durante o caminho, nos conectamos aos outros e, na maioria dos casos, cometemos um deslize: trancar a porta ao entrarem. A porta nunca deve estar fechada.

Pessoas não são propriedades, nós não somos donos de ninguém e nem temos o direito de tentar prendê-los a nós. Tão fácil na teoria não é mesmo? Difícil é abri-la quando já não faz mais sentido acumular dentro algo que não acrescenta em mais nada. Ou, na mais perfeita das situações, nunca sequer encosta-la.

Deixa aberto. Deixa livre. Deixa voar. Quem quer, de verdade, fica. Ou, pelo menos, acaba voltando. Se não voltar, não era seu. Ou então já teve o seu tempo.

Aceita a vai ser feliz.

Nayara Rosolen

Os queridinhos: Brincos em acrílico

Bom dia, lindjos!!!

A tendencia que tem feito a orelha das mulheres se chama: brincos de acrílico. Faz um tempo já que a gente tem acompanhado essa moda que ganha mais forca a cada dia. O que poderia parecer estranho de início, acabou se tornando um dos queridinhos das mulheres.  O melhor de tudo, é que a gente pode encontrar os brincos nas mais variadas cores, formas e estilos.

Para quem é mais séria e gosta de algo mais discreto, que não chame tanta atenção, temos os modelos mais simples, em cores mais neutras.

Já eu, confesso, fiquei louca com os modelos mais divertidos e coloridos. Eles deixam o look muito mais descolado e tem tudo a ver com o vera o, quando a gente acaba abusando mais nas cores.

Uma das primeiras (se nao a primeira) que eu vi espalhando essa ideia foi a Anitta.

E então de repente os brincos começaram a surgir para todo lado nas orelhas das famosas.

E vocês, já aderiram ao estilo? O que acham dessa moda?

Beeeijos,

Sigam-me os bons: Snapchat: nayrosolen ↠ Página do blog  ↠ Instagram

2016 em 6 músicas #RetrospectivaSPE

Bom dia, lindjos!!!

Chegamos ao nosso último post de retrospectiva. E, claro, eu não poderia deixar de falar sobre as músicas que fizeram 2016. O sertanejo, principalmente das mulheres, estourou. O funk também ganhou ainda mais força. Foi um ano difícil para quem não gosta dos estilos e maravilhoso para os que gostam de tudo, assim como eu. Mas não teve só isso não, foi um ótimo ano para a música e para nós, que não tiramos os fones do ouvido.

Foi muito difícil escolher só 6, eu escutei muuuita coisa esse ano, mas umas sempre se destacam mais que outras. Selecionei pelo que eu mais escutei.

Ela só quer paz – Projota 

Eu amo Projota, inclusive essa música esteve em uma playlist de vícios aqui no blog, foi uma das primeiras de 2016 que não queria mais sair da cabeça.

50 reais – Naiara Azevedo ft. Maiara e Maraisa 

Sobre essa eu nem preciso dizer nada né? Minha quase xará estourou com essa música em todos os lugares.

Work – Rihanna ft. Drake 

Riri causou no clipe da música com o Drake rebolando muuuito, várias paródias foram feitas. Não dá pra negar que grudou na cabeça.

Eu sei de cor – Marília Mendonça 

Se esse ano não foi de Marília, não sei de quem mais pode ter sido. “Infiel” provavelmente foi a que mais se popularizou, mas decidi compartilhar com vocês uma das mais recentes que ficou na cabeça.

Bumbum Granada – MCs Zaac e Jerry

Ano passado também foi do funk. São inúmeras as que eu poderia ter citado aqui, mas aparentemente essa ficou internacional Hahahaa Até uma das integrantes do Fifth Harmony fez um snap dançando a música.

10% – Maiara e Maraisa 

O que tem de garçom que não deve estar mais suportando ouvir essa aqui, não deve ser pouco não Hahahaha Mas, vamos combinar, virou chiclete, assim como todas as outras das gêmeas.

Bônus: Deu Onda – MC G15

Alguém tira essa música da minha cabeça, POR FAVOR??? Chegou no finalzinho, mas pegou todo mundo.

Quais as músicas que não saíram da cabeça de vocês em 2016???

Agora sim, chega de 2016 e bola pra frente! Nosso 2017 no blog começa segunda com post novinho ❤

Beeeijos,

Sigam-me os bons: Snapchat: nayrosolen ↠ Página do blog  ↠ Instagram

 

2016 em 6 Receitas #RetrospectivaSPE

Bom dia, lindjos!!!

Uma das metas de 2016, que era me dedicar mais ao blog criando mais conteúdos, foi concluída com sucesso. Mas sozinha eu não teria conseguido. Foi por isso que eu convidei minha amiga, Emília Vitória, para deixar as nossas sextas-feiras mais gostosas. Eu sempre gostei de compartilhar receitinhas com vocês aqui, mas achei que chamar alguém que realmente entende do negócio (ela é formada em Gastronomia <3), poderia ser interessante. E não é que acertei? Ela nos apresentou comidinhas deliciosas!!!

Hoje, na nossa primeira sexta-feira do ano, irei mostrar para vocês as 6 receitas mais acessadas de 2016. Já adianto que as especiais de final de ano foram campeãs (como não amar, né?). Bora bora, que nossa retrospectiva não para:

Receita: Salpicão

receita-salpicc3a3o-de-bacalhau

Receitas natalinas: Arroz Natalino e Macarrão com Queijo

arroz-natalino

Receitas para sua ceia de natal: Farofa

farofa

Receita: Pavê de mousse de maracujá

44013_original

Top 3: Comidinhas fáceis e rápidas

receita-arroz-de-forno-cremoso

Receita: Tiramisu

tiramisu-flambee1

Eu sou suspeita para falar, mas sou apaixonada pelas sobremesas. E vocês, são do doce ou do salgado? Quais as preferidas de vocês?

Beeeijos,

Sigam-me os bons: Snapchat: nayrosolen ↠ Página do blog  ↠ Instagram

2016 em 6 Resenhas #RetrospectivaSPE

Boa tarde, lindjos!!!

Continuando a nossa retrospectiva atrasada, como hoje é quinta-feira resolvi relembrar 6 resenhas literárias que fiz no ano passado. Apesar de ter lido pouco, tive boas leituras e compartilhei tudo com vocês aqui.

Uma das minhas metas desse ano é colocar em dia todas as minhas leituras que eu acabei deixando de lado. Pretendo ler pelo menos 2 livros por mês. Leitura é algo necessário para mim, tanto porque ajuda no blog, melhorando a escrita e criando conteúdo, tanto para o meu curso na faculdade, que tem a leitura e a escrita como base.

Selecionei 6 delas e vou apresentá-las nesse post de forma cronológica. Bora lá?

A Garota que você deixou para trás – Jojo Moyes

img_1778-2

2016 foi o ano enquete JoJo Moyes ganhou meu coração. Depois de ler “Como eu era antes de você” uns dois ou três anos atrás, me apaixonei e comecei a ler outros da autora. Esse se tornou um dos meus preferidos.

Garota Exemplar – Gillian Flynn

image4

Esse livro ficou por anos na minha estante, eu não fazia ideia do que se tratava a história (acho que nem li a sinopse quando comprei), mas depois que comecei a lê-lo não consegui parar até chegar ao fim. A história me surpreendeu muito durante todo o livro. A cada novo capítulo eu imaginava um novo possível final. Depois assisti o filme e também amei. Nesse post eu falo sobre os dois.

Tá todo mundo mal – JoutJout 

image3

Jout Jout gerou furdúncio com esse livro. Muita gente amou, muita gente odiou. Teve gente que até falou que perdeu a graça de assistir seus vídeos. Não entendi tamanha rejeição em cima de seus textos, foi um dos melhores (senão o melhor) que eu li ano passado. Para mim, livro é questão de identificacao e eu dei minha opinião detalhada na resenha.

Gentil como a gente – Fernanda Gentil

3

O blog da Fernanda já era um dos meus preferidos antes de transformar suas histórias em um livro. A jornalista tem um jeito único de narrar situações do cotidiano da forma mais leve e divertida possível. Esse é o post mais visualizado do blog e não é atoa. Ela já tinha ganhado nossos corações na cobertura da Copa do mundo e esse ano foi dela novamente.

Depois de você – Jojo Moyes 

2

Depois de chorar lendo “Como eu era antes de você”, estava curiosa para saber como seria a continuação da história, principalmente pelo final que ganhou o primeiro livro. Eu só fiquei ainda mais encantada e querendo um terceiro com a nova vida da Lou. A autora conseguiu dar uma reviravolta na vida da garota.

A Arte de entrevistar bem -Thaís Oyama

sem-titulo

Esse foi o primeiro livro de jornalismo que eu li e achei incrível. A Thaís conta sobre várias experiências que ela teve entrevistando grandes nomes. Dando dicas e até matando a nossa curiosidade para saber como funciona uma entrevista nos bastidores.

Que esse ano eu tenha ainda mais histórias para compartilhar com vocês aqui no blog e que vocês também leiam muuito. Leitura nos ajuda demais, em vários sentidos ❤

Beeeijos,

Sigam-me os bons: Snapchat: nayrosolen ↠ Página do blog  ↠ Instagram

2016 em 6 textos #RetrospectivaSPE

Boa tarde, lindjos!!!

Como dito no post anterior, eu não consegui fazer os posts que pretendia na última semana de 2016 por conta da correria, masss não desisti não. Então durante essa semana vou fazer uma pequena retrospectiva do ano passado no blog.

Do dia 30 de março (data de publicação do primeiro texto) ao dia 31 de dezembro foram publicados 47 textos autorais, 5 textos de autores que eu me identifico e 13 citações, tanto de textos meus quanto de outros. Além do conto especial de Natal dividido em 5 partes.

Inicialmente o blog era só um lugar para eu deixar registrados os meus textos, muito do que eu vi e vivi em 2016 ficou refletido em coisas que eu escrevi, portanto decidi não compartilhar os mais acessados, mas os que resumem o ano que passou. Bora lá?

De: A eu do presente, Para: A eu do passado

tumblr_lyildjpsuk1r6j65fo1_500

Eu passei por muitas mudanças não só em 2016, mas nos últimos anos. Passei a refletir muito sobre o que eu já passei e já fui um dia e resolvi fazer uma “carta” para a minha versão mais nova.

Não abuse, cuide!

large3

Durante todo o ano, assistimos muitas coisas tristes acontecerem, mas também vimos a força da mulher crescer. Infelizmente, tudo isso só veio a repercutir por uma situação lamentável que aconteceu logo no primeiro semestre. Eu despejei tudo o que eu sentia sobre a situação em um texto.

E foram felizes para sempre?

beijo

2016 também foi o ano das separações e é incontável o tanto de pessoas que compartilharam nas redes sociais não acreditarem no amor. William e Fátima, Brad e Angelina… casais que jurávamos ser perfeitos um para o outro e que viveriam juntos até de bengalinha. É difícil não ficar triste, mas o mundo não acabou. Antes mesmo de toda essas bombas começarem a ser soltas, eu já havia escrito um texto sobre isso.

Permita-se 

large-6

Se tem uma coisa que eu fiz esse ano, foi ignorar comentários alheios e fazer coisas das quais realmente me fazem feliz. E, entre altos e baixos, eu fui feliz. Também escrevi sobre o quanto é importante parar para pensar em você no meio de toda a bagunça da rotina.

Aquele Alguém 

0c1c134f4aaed178248a99972bbee8cc

Esse ano eu senti saudade, e tive que aprender a superar as partidas da vida. Coincidentemente, ou não, o texto mais lido do ano é esse e fala sobre isso.

Com amor 

large-67

Mas, acima de qualquer coisa, eu agradeci.

Obrigada a todos vocês que acompanharam e me incentivaram a continuar escrevendo e fazendo o que eu  amo, mesmo pensando em desistir tantas vezes. ❤

Beeeijos,

Sigam-me os bons: Snapchat: nayrosolen ↠ Página do blog  ↠ Instagram

Consegui alcançar meus objetivos?

Feliz ano novooo, lindjos!!!

Dei uma sumidinha nos últimos dias por motivos de: muita coisa ao mesmo tempo! Final de 2016 foi uma loucura. Estou de férias no interior, na casa dos meus pais, mas estou em um trabalho temporário no comércio até o final desse mês. O tempo livre que tenho estou aproveitando ao máximo para descansar e curtir com os meus amigos também. Masss eu espero de todo o coração que a virada de vocês tenha sido linda e que vocês tenham aproveitado ao lado de pessoas que vocês amam, assim como eu.

Os primeiros dias do ano sempre estão em uma vibe de metas/desejos/sonhos/dias melhores/vida nova etc. Eu, como no ano passado, não fiz nenhuma lista de objetivos, só desejei que a vida continue linda. Então, resolvi ao invés de mostrar uma listinha de metas, contar para vocês o que eu consegui realizar ano passado.

Ué, Nayara, mas você não acabou de dizer que ano passado também não fez lista alguma? Sim e não. Calma. Na virada do ano passado também não tracei metas, mas respondi a TAG six on six aqui no blog, com coisas que eu queria cumprir até dezembro. Estava pensando sobre essa lista e decidi compartilhar aqui com vocês o que eu consegui ou não cumprir. Bora lá:

1 – Voltar a fazer exercícios diariamente

mngaalewep0-emma-simpson

Em 2015 por três meses eu fui a pessoa mais fitness que consegui ser Hahahaha Perdi 8kg, consegui seguir uma alimentação mais saudável e praticar exercícios diariamente. Mas abandonei depois de um tempo 😦 Ano passado eu senti que estava voltando a ganhar meus quilinhos e queria muito voltar a essa rotina, mas com tanta coisa (faculdade, teatro, os blogs) não consegui dar conta. Como sou brasileira e não desisto nunca, esse ano vai! 😉

2- Passar no primeiro quadrimestre da faculdade sem pegar exame

ilsnkt1imxe-mari-helin-tuominen

WE ARE THE CHAMPIONS, MY FRIEND!!! Foi exatamente essa música que passou pela minha cabeça quando eu vi minhas notas todas lindinhas e azuis. Em semana de provas eu sempre piro a cabeça, sou muito ansiosa e sofro por antecipação. Mas no final deu tudo certo. Ponto pra mim!

3- Ler e escrever mais

7byaridy7lq-kate-williams

Então… sobre essa… não deu tão certo. Hahahaha Podemos contar os posts daqui e no 7S como escrever? Acho que podemos. Mas ler mesmo, colocar minhas leituras em dia está sendo complicado. Antes era falta de tempo, agora é vontade de descansar a cabeça. Tô tentando ler pelo menos um pouquinho por dia. Mereço um meio pontinho nessa, vai? 😛

4- Apresentar a minha primeira peça de teatro

4slz_rck6kq-lloyd-dirks

Essa eu já sabia que iria acontecer. Quando respondi essa TAG já estava no processo de preparação para a primeira peça do meu curso e foi lindo. Gostei de estar no palco muito mais do que eu imaginava e quero estudar cada vez mais, porque ainda preciso melhorar muuuito, principalmente a questão da timidez. Contei em um post do 7S como foi a experiência. E em um texto também.

5 – Escrever uma história completa e começar a postar aqui no blog

wbxdgs_d17u-ilya-pavlov

Acho que não é novidade que eu sonho um dia em escrever um livro. Sou apaixonada por escrever e gosto de me desafiar. Um livro não rolou. Ainda. Mas na semana do natal eu escrevi um conto bem amorzinho e postei de 21 a 25/12. Leiam e deixem a opinião de vocês ❤

6- Me dedicar e fazer o blog crescer cada vez mais

2ou30mdtsey-giulia-bertelli

Por último, mas não menos importante, acho que foi uma das metas que eu de fato mais de dediquei. Mesmo com toda a correria eu dava um jeito de escrever para o blog, fazer surgir ideias na cabeça e postar pelo menos 5 vezes na semana. Algumas eu consegui até mais, outras menos. Ganhamos reforço com as colaboradoras e com o aumento de conteúdo também aumentou o número de leitores. Mas nas últimas semanas de dezembro dei uma escorregada. Não consegui fazer os posts de final de ano que pretendia, mas ainda quero tentar soltá-los nos próximos dias.

Com isso, chegamos a conclusão de que 2016 foi um ano produtivo. Foi difícil, foi corrido, foi um pouco atropelado, mas fez acontecer. Fiz um texto falando sobre.

O que eu desejo para mim e para vocês em 2017 é que a gente faça acontecer de novo. Que venham muitas surpresas boas e que a gente saiba aprender com as não tão incríveis.

Um ano maravilhoso para vocês ❤

Beeeijos,

Sigam-me os bons: Snapchat: nayrosolen ↠ Página do blog  ↠ Instagram

 

Que ano! #EspecialQG

Dois mil e dezesseis: o ano em que tinha tudo para ser só mais um daqueles em que a gente olha para trás e diz “Mas já? Nem vi nada acontecer”. Quem dera, em alguns momentos, podermos apagar. Que bom que somos capazes de vários outros na memória poder guardar.

Foi com medo. De errar, de apressar, de ter que voltar, de não dar conta, de desistir, de não ser como eu imaginei. Nunca é. Às vezes decepciona, às vezes é bem melhor do que a gente sonha. E está aí a graça de viver tudo isso, de se jogar e acreditar em algo que a maioria das pessoas não dão a mínima. Esse ano eu fui felicidade, fui realização, gratidão, saudade e também decepção – faz parte. Fui principalmente construção, de coisas que já viviam comigo há anos.

Nos últimos 365 dias eu vi tristeza, vi tragédias, chegadas e partidas. Vi sorrisos, momentos compartilhados, sintonia que parecia ensaiada. Eu vi sonhos se realizando diante dos meus olhos. Mas, acima de qualquer coisa, eu vi mudança. Vi amadurecimento, crescimento de sementes que foram plantadas há muito tempo – e aprendi que cada coisa tem seu momento. Sabe quando você olha pra trás e pensa “nem acredito que isso está acontecendo”?

2016 foi a realização de tantos momentos passados e repassados na cabeça. Que, aliás, não foram como no roteiro. Ainda bem – ficamos abertos a tantas melhores possibilidades quando desapegamos de uma verdade que nós mesmos criamos e julgamos ser absoluta.
Respirei novos ares e conheci caras novas, o que que me fez decepcionar bastante. Mas aprendi que só assim a vida poderia me ensinar. Passei a selecionar. Não com quem me relacionar, mas o que doar de mim para cada um. Entendi que ninguém pode vir antes da gente e que engolir palavras faz tudo ficar amargo demais por dentro.

O final desse capítulo foi mais do que tudo: lição! Vamos para o próximo. Com medo mesmo. Mas com a certeza de que nada é em vão e de que tudo e todas as dificuldades, serão recompensados. Um novo ciclo se inicia a partir daqui.

Que em 2017 a gente viva tudo aquilo não conseguimos ou não nos permitimos viver em todos os anos anteriores. E que venham também os tombos, para que possamos nos tornar pessoas ainda melhores. Mas, antes de qualquer coisa, que a gente aprenda que quem faz o ano somos nós.

Ah, e que a gente nunca deixe de sorrir e agradecer em qualquer situação.

Nayara Rosolen

1

2016: O ano das mudanças

Ano novo, vida nova – é o que as pessoas dizem. Toda virada de ano lá estamos nós, fazendo a listinha dos desejos, pulando as 7 ondinhas, guardando a semente da uva na carteira, esperando que a cor da roupa resolva nossos problemas. Em 2015 eu resolvi fazer diferente e não desejei nada. Deixei que a vida, ou as minhas decisões, fizessem acontecer. E aconteceu. Aconteceu muito mais do que eu esperava.

Depois de muito refletir ano passado, vi que meu lugar não era mais onde eu estava. No começo desse ano me mudei de vez para Curitiba e a partir daí uma série de mudanças começaram a acontecer na minha vida em todos os sentidos. Não sei se com vocês é assim, mas estamos em constante mudança e eu sinto a necessidade de expressar essas mudanças de algumas maneiras. Esse ano o alvo foi meu cabelo.

Eu tive que me desconstruir como pessoa e me construir de novo por diversos fatores. O cabelo super loiro e comprido que eu tinha desde os 14 anos já não combinava, eu senti vontade de mudar. E mudei.

Depois de um tempo o que passou a me incomodar foi o comprimento. Por conta de tantos anos descolorindo para fazer as luzes loiras ele ficou muito fraco. As pontas estavam muito finas e quebradas, eu tinha perdido muito volume, além da queda que tinha aumentado. Coloquei na cabeça que queria cortar. Pela primeira vez não fiquei com medo da cabeleireira cortar mais que “dois dedinhos” e falei que podia cortar sem dó. Eu não faço ideia de quanto foi cortado, mas já que era para cortar, fui logo para o long bob (bem curtinho).

Uma coisa que eu aprendi depois que pintei meu cabelo de ruivo é que: dá tanto trabalho quanto o loiro. A cor vai desbotando e a gente precisar manter com um creme (igual ao roxo para cabelos loiros, só que vermelho). E eu nunca fui o tipo de pessoas com mais paciência para esses cuidados. Hahahaha Cansei novamente da cor e encasquetei que precisava mudar de novo. Foi o que eu fiz assim que entrei de férias e vim para a casa dos meus pais.

img_8721Dessa vez uma amiga pintou para mim em casa mesmo e eu amei o resultado. Passei a cor “Chocolate Suíço” da BeautyColor.

O resultado de todas essas mudanças foi o meu cabelo crescendo muito mais rápido (dá pra ver a diferença de quando eu cortei para essa última foto?), meus cabelos que caíram de volta ❤ e aquela vibe gostosinha que a gente sente quando mudamos!

Muita gente me achou doida quando eu disse que ia mudar, mas acho que temos uma vida inteirinha pela frente pra ficar na mesmice para sempre. O que eu posso dizer para vocês é: se têm vontade, mudem!

Beeeijos,

Sigam-me os bons: Snapchat: nayrosolen ↠ Página do blog  ↠ Instagram