Playlist da semana: 4 anos sem Chorão (CBJr)

Há exatos 4 anos tivemos a triste notícia que o vocalista de uma das bandas de rock mais queridas do Brasil havia falecido. Chorão marcou a minha infância e adolescência, como a de milhões de brasileiros. Desde a época em que o som de “Te Levar” entrava na minha casa todos os dias a tarde na abertura de malhação, as rodas que meus amigos formavam no colégio para cantar suas músicas, até os vários momentos que tenho marcados com as suas melodias.

Nunca achei que pudesse ouvi-las tão de perto da própria banda, mas tive a oportunidade de assistir um show no litoral, em 2012, um ano antes do cantor nos deixar. Prometi que iria nos próximos, mas não deu tempo. Foi impossível não se chocar e mais difícil ainda é lembrar a saudade que deixou.

Portanto, nada mais justo do que hoje dedicar uma playlist todinha para relembrar os bons momentos e as letras que mais ficaram marcadas, em homenagem à ele, que cantou tanta realidade e tantas coisas bonitas:

Proibida pra mim 

Te levar 

Só por uma noite 

Longe de você 

Me pirou o cabeção

Dias de luta, dias de glória 

Senhor do tempo 

Ela vai voltar 

Só os loucos sabem 

Me encontra 

Céu azul 

Meu novo mundo 

Um dia a gente se encontra 

Para finalizar esse post, uma citação dele, que era O cara:

Então, se você tem pai, se você tem mãe, se você tem uma casa, se você tem uma comida na mesa, se tem uma cama limpinha, quentinha, se você tem saúde, se você enxerga, se você escuta, se você se supera, se você erra e aprende com o seu erro, aí você é feliz, aí você tem tudo!

-Chorão

Facebook | Instagram do blog | Instagram pessoal |Twitter | Snapchat: nayrosolen

Anúncios

Hoje eu passei o dia refletindo. Lembrei de alguns momentos, fantasiei outros, mas não subiu o nó na garganta. Hoje não. Hoje eu poderia ter me me aborrecido por falta de consideração, me ofendido por coisas que se tornaram grandes demais em outra época. Hoje não. Hoje eu poderia mais uma vez ter ido atrás ou perguntado para aquela amiga em comum se tem tido notícias. Não, hoje não.

Hoje eu fui o que me tornei graças a tudo o que ele sempre tentou me avisar sobre os outros. Os outros que se tornaram ele – que nunca poderá ser comparado a ninguém.

Conto de Natal: Palavras e Melodias (Parte 1)

Leia escutando: All I Want For Christmas Is You – Michael Bublé

Nova York, 24 de dezembro de 2016.

O cheirinho de comida caseira se espalhava pela casa toda. Depois de muito empenho durante um dia todo passando ferramentas de lá para cá, puxando fio daqui e dali, carregando escada de um lado para o outro, finalmente tudo parecia tão iluminado quanto a data merecia. A árvore, tão cheia de presentes como nunca esteve, mostrava que muita coisa havia mudado nos últimos anos. Os choros vindos de longe, a correria para todo canto e as gargalhas em um coro tão cheio, de um jeito que só o Natal proporcionava, não faziam enganar.

Seu Augusto tinha as costas cansadas, um olhar pesado, as mãos um pouco trêmulas, mas o coração forte como nunca, ainda que sentisse a falta dela. Talvez a única pessoa que conseguiu amar com cada batida de seu coração. Seu sorriso em uma das fotografias na estante da sala o fez sentir seus olhos umedecerem. Sorriu enquanto se aproximava do quadrinho, passou os dedos pelo seu rosto em cima do vidro e sussurrou algum código que só ela entenderia, se estivesse ali. Ao girar sua cabeça levemente para o lado viu seu velho piano que não soava som algum já há um tempo. Fechou os olhos e soltou um sorriso fraco ao sentir as lembranças se aproximarem.

– Toca alguma coisa para mim – dizia ela insistentemente.

Estava deslumbrante naquele vestido vermelho que ia até seus joelhos, parecia tão cheia de vida, tão jovem, sonhadora. Seu sorriso era o mais belo que ele já havia conhecido, junto com seus dentes tão brancos quanto a neve e seus olhos grandes que entravam em sintonia com os lábios. Os cabelos negros ondulados que iam até quase a cintura era apenas o toque final, formando o sonho que ele nem sabia que tinha. Era impossível não se render.

– Tudo bem, mas só porque é você quem está pedindo. – sorriu um pouco tímido.

O garoto, que havia descoberto seu talento cedo demais se comparado aos amigos de escola, tinha se acostumado a dar seu show nas noites nova-iorquinas, mas fazer shows particulares não era o seu forte. Por mais que soubesse soltar os dedos nas teclas tão naturalmente quanto piscar os olhos, essas situações intimistas ainda o causavam insegurança, especialmente com ela. Respirou fundo e começou a fazer vibrar o piano em seus dedos. A melodia saía leve, como um vento, fazia com que todos os problemas evaporassem naquele momento. A garota das covinhas mais atraentes que ele já tinha visto, olhava encantada com cada uma das notas. Se soubesse que haviam sido feitas especialmente para ela…

Um grito fez com que seus pensamentos voltassem para a realidade. O velho olhou em volta buscando saber da onde surgia e avistou os dois caçulas sendo socorridos de uma briga sobre de quem era a vez de manusear o controle do vídeo game. Balançou a cabeça em reprovação, mas lembrando de quem um dia também já fora assim. Um riso foi inevitável. Olhando para o seu amigo de longa data novamente, caminhou até ele e sentou-se no banco de acento almofadado feito por sua mulher no mesmo ano em que trocaram alianças. Abaixou a cabeça assoprando a poeira que se encontrava nas teclas, hesitou antes de tocá-las, mas soltou os dedos com toda a saudade que sentia por dentro. Começou a tocar como se fosse a primeira vez, 40 anos atrás.

Por um bom tempo, ela apenas escutou atenta aos movimentos que ele fazia. Com o queixo apoiado em suas mãos, analisava cada expressão solta com as notas. Mas não demorou muito para que saísse rodopiando pelo salão acompanhando o ritmo da música. Seu vestido rodado flutuando com seus passos de um lado para o outro. Ele ria com as caras que ela fazia. Ninguém nunca o tinha feito rir tão bonito, rir com a alma e o coração que pulsava forte. Não sabia ainda se por ela ou pela situação que o deixava tenso. Ao tocar as teclas pela última vez, finalizando, ela fez um gesto de agradecimento que o fez ficar levemente rosado. Um dos efeitos que causava. Ao levantar-se, ela correu até ele e o abraçou tão forte, como nunca o fizeram antes. Ele sentia seu coração em ritmo forte, junto com o dele.

– Eu poderia escutá-lo tocar pelo resto da vida – sussurrou em seu ouvido.

E foi nesse momento que seus olhos se encontraram, fazendo com que de alguma forma estivessem conectados muito além de seus corpos próximos. Suas almas estavam aconchegadas e não sentiam mais frio no meio daquele rigoroso inverno, mas não era pela lareira que fazia parte do cenário…

– Que música é essa, vovô? – Perguntou um de seus netos mais velhos enquanto se aproximava do piano.

Augusto voltou de suas lembranças em um pulo e parou de tocar automaticamente. Olhou para baixo vendo o menino sentado entre algumas almofadas no chão e passou a mão pelo seu cabelo se recompondo. Sorriu e respondeu com todo o carinho que guardava consigo.

– Essa foi a primeira música que eu compus para a vovó, um pouco depois de nos conhecermos. – assentiu com a cabeça.

– E como foi que vocês se conheceram? – Ergueu a sobrancelha curioso.

Seus cabelos brancos voaram com o vento que surgiu da fresta da janela. Ele olhou seguindo para as estrelas e pareceu ter se perdido em algum ponto indefinido do céu. Até que disse distante em seus pensamentos:

– Tudo começou no ano de 1976, nessa mesma época do ano…

(Continua…)

Conto de Natal: Palavras e Melodias (Apresentação)

Bom dia, lindjos!!!

É com muita ansiedade que eu lhes apresento a minha mais nova cria: Palavras e Melodias.

Há tempos eu penso em criar alguma história, até mesmo como um auto desafio, aqui no blog. E não existe época mais inspiradora do que essa do ano, não é? Mesmo tendo desistido umas três vezes no caminho, com medo de não dar tempo, de não dar conta, de não ser bom, decidi arriscar.

Hoje, 15h, começa uma sequencia de posts até o dia 25/12 com a história de Augusto e Adelaíde, que vocês poderão começar a conhecer nesta tarde. Espero que acompanhem e gostem. Cada palavra foi escrita com muito amor e carrega junto uma melodia.

A História

“É o primeiro natal de Augusto, um músico de 58 anos, sem a sua mulher. A ceia que teria tudo para ser vazia, acaba se tornando uma verdadeira noite de magia. Ao tocar a primeira música que compusera para sua falecida esposa, uma famosa escritora, instiga a curiosidade dos netos de saber como os avós se conheceram. O homem revive o passado mergulhando em lembranças.”

Beeeijos e até mais tarde

 

Tarde demais!

large-15

O que fez eu gostar de você? Bem, a princípio era a empolgação de pela primeira vez ter encontrado alguém que se parecia tanto comigo em vários sentidos. Eu podia ser pra você aquilo que eu sempre vi como defeito e tentava esconder dos outros. Nunca precisei te agradar, nunca nem tentei fazer isso. Tudo fluía naturalmente.

Mas uma hora ou outra, dois gênios fortes tão iguais acabariam dando de cara um com o outro. E deram. Foi uma pancada. Do nada o trem parecia descarrilhar descontroladamente e não é como se um de nós fosse capaz de colocá-lo na linha novamente. Uma parede pareceu ser construída na nossa frente.

Mesmo assim, eu te conheço o suficiente pra saber exatamente o que se passava e o caminho que tudo estava destinado. Ainda que não fosse o do meu desejo, isso é uma das coisas que mais gosto em você: Te conhecer a ponto de saber quando você começa a se despedir das pessoas. Doeu.

Eu passei pela fase de negação. Quis que tudo fosse mentira. Meu lado pisciano fez uma tempestade. Enquanto isso, meu lado virginiano, mais vivo do nunca desde que te conheci, construía aos poucos uma barreira de ferro, além daquela parede já erguida – coisa tola de signo que às vezes parece fazer sentido.

Eu amava as músicas que passaram a ser relacionadas à você. E agora amo a forma como me fazem lembrar de tudo, como me transportam para aquela época.

Lembro do ano novo e seus áudios que fizeram uma virada mais iluminada. Da minha viagem de férias e a playlist que me acompanhou – carregando você. Cada data importante em que eu tentava te impressionar, e de como você tem registrado uma em especial. Cada vez que ficamos tempos sem nos falar, mas de alguma forma, algo nos aproximava de volta.

E é isso que mais dói. Essa partida lenta, como quem quer ficar, mas cada vez fica mais distante. Os silêncios. Os segredos. O desinteresse. A vontade. O sentimento. As lembranças. Infelizmente ninguém vive de passado.

Eu deveria estar dormindo e sei que vou me arrepender quando o despertador tocar. Mas no meio de tanta cobrança da vida no dia a dia, reviver alguns momentos na minha cabeça, de todos os sentimentos bons que você já me proporcionou, ainda parece ser uma boa fuga das confusões rotineiras.

Difícil é quando o suspiro de alívio se torna pesado, cansado, abafado. De saudade.

Quis te chamar, mas parecia tarde demais. No relógio e na vida.

bedo1

A criança que ainda existe em nós

large-5
Imagem: WeHeartIt

Há dias que nos pegamos assim, pensativos e até um pouco hesitantes. De repente, a criança que já fomos, e ainda mora dentro de nós, resolve aparecer só para checar como tudo está. E, bem…

Os motivos de diversão foram trocados. A amarelinha e a queimada se tornaram os obstáculos da vida que vez ou outra insistem em aparecer e que precisamos desviar. O esconde-esconde agora são os momentos em que precisamos estar só com nós mesmos refletindo sobre situações da vida que infelizmente não se resolvem só com “1, 2, 3 meu” e que ninguém vai poder chegar no final para dizer “salva todos” – é cada um por si. Tamagotchi não pode mais ser simplesmente trocado quando a gente esquece de cuidar e alimentar, são ser humaninhos ou de quatro patas que demandam a nossa dedicação de verdade. O pega-pega se tornou uma fuga insana da vida adulta e todas as responsabilidades que agora são nossas.

Responsabilidades… Mal sabíamos nós o que significava esse palavrão. Com tanta música para sair cantando e dançando, tantos amigos que ainda tínhamos por perto e toda a preocupação que rodeava naquele momento sagrado que era pegar o achocolatado e ir pra frente da TV assistir nossos desenhos preferidos. Difícil imaginar que um dia não teríamos tempo nem de assistir a novelinha das 17 horas que, ao que parece, foi uma das raras coisas que sobreviveram. Mesmo que bem diferente do que estávamos acostumados.

Aprendemos que sapo não vira príncipe e, olha que coisa, que nem mesmo o tal encantado existe. Acabamos com a farsa do coelhinho da Páscoa, do palhaço e do papai noel. Tiramos as sandálias da Sandy, encostamos a boneca da Eliana, aposentamos a escova que nos proporcionou tantas dublagens de Rouge e RBD.

Trocamos a peteca, a bugalha e o pega-vareta por aparelhos tecnológicos. Nossas amizades de maternidade se tornaram as virtuais que vez ou outra mandam um “Oi, quanto tempo!” – Coisa de gente grande, você não vai querer entender. O fim do mundo não é mais quando o tamagotchi morre, mas quando a internet falha.

Os sonhos, bem… Eles mudaram com o tempo, a gente já deveria saber. A boa notícia é que mesmo cansados, com as olheiras marcadas, as dores nas costas, o peso de tudo o que somos responsáveis… Nada seria assim se não estivéssemos lutando por aquilo que realmente queremos.

Bem lá no fundinho, somos todos crianças com o mesmo encanto diante de nossos desejos.

Nayara Rosolen 

dianostalgico2

Não vale a pena!

large-2gjg

Depois de um tempo a gente aprende que não vale a pena. Não compensa perder saúde, energia, noites de sono, a hora, o lugar, os momentos, as oportunidades, as pessoas… Não dá pra ficar gastando tempo à toa.

Não adianta pedir para a vida só mais 5 minutinhos. Quando a gente cresce, feliz ou infelizmente, cada segundo se torna precioso demais para ser gasto com sentimentos que não fazem bem.

As defesas entram no automático, as experiências criam barreiras diante daquilo que sabem que pode nos derrubar, o pouco nó que sobe à garganta não fica por muito tempo e as emoções são expostas só quando, e se for, necessário.

Ainda assim, a música vai fazer lembrar, os filmes vão representar, as lembranças vez ou outra farão questão de retornar e aí… Bom, aí só o que resta é sentir. E esperar que um novo dia amanheça.

No mundo de gente grande, ou passa ou a gente faz passar, mesmo que bem no fundinho algo ainda fique registrado.

Nayara Rosolen

bedo1

Olhe para trás!

klko
Imagem: WeHeartIt

Arraste alguns móveis, abra algumas caixas, tire a poeira, recorde alguns momentos, deixe que o filme passe pela sua mente. Pode ser que surjam alguns sorrisos e até mesmo algumas lágrimas. Não tem problema. Não se sinta bobo, nem tenha vergonha. Isso mostra que existe alguém aí dentro. E, melhor, mostra que já existiu alguém aí dentro no passado. Alguém que se parece muito com você: os mesmos olhos, as mesmas covinhas ao sorrir, a mesma fisionomia.

Algumas pessoas que você não fala, e até mesmo não se recorde há anos, podem surgir. Os momentos com elas vão se reacender. São pessoas que marcaram presença de corpo e alma e não estavam ali apenas para a cumular, que vieram para somar, para ensinar e aprender, trocar experiências e que também tiveram a hora de dizer tchau. Talvez não hora marcada, com despedida ensaiada, mas, sem perceberem, de repente aquela conversa diária se perdeu, junto com o número que você não sabe mais onde colocou. Até abrir aquela agenda toda empoeirada.

Então nomes, números e sonhos reaparecem. Assim, do nada, sem avisar. E é como se você estivesse em casa de novo.

O mesmo brilho no olhar que tinha ao sonhar, é o mesmo brilho no olhar ao perceber que realizou.

Os mesmos nomes que, com você, fizeram e compartilharam histórias fazem com que perguntas comecem a surgir de todos os lados “Será que o número é mesmo?” “Será que seguiu o caminho que desejava?” “Será que continua com o mesmo jeito?”… Todos esses “serás” são respondidos com a simples atitude de um “Olá”. Olá esse que você não sabe porque demorou tanto tempo para acontecer. Talvez tenha permitido que a vida afastasse, talvez em algum momento anterior não fizesse sentido ou talvez algumas desculpas esfarrapadas, que você nem lembra, tenham sido dadas. Agora não importa mais. Uma mensagem é suficiente para você se sentir a vontade e perceber que certas coisas nunca mudam.

Ainda bem.

Como já dizia alguém que eu não sei ao certo quem é “os verdadeiros a gente sabe quem são”.

As pessoas e os sonhos.

Crescer é isso (e mais um pouco)!

rgr
Imagem: WeHeartIt

Deu vontade de escrever, assim, do nada. De repente deu vontade de falar despejando palavras nessa página em branco de um jeito que já não fazia parte da minha rotina. A vida tem estado assim, essa correia. São estudos, sonhos sendo realizados, algumas tarefas que eu nunca imaginei que um dia fosse ser responsável e ainda tem aqueles probleminhas “normais” da vida que hora ou outra acabam aparecendo. Os horários ficam curtos, ver a família já não é algo diário.

É um sábado a noite e está tudo escuro, no silêncio, até mesmo as ruas que durante o dia ecoam a trilha sonora das buzinas incansáveis. Agora, só o que dá para ouvir são os sons das teclas sendo tocadas rapidamente, de uma forma que já não acontecia há semanas. Desse jeito. As palavras vão surgindo – dá onde eu não sei até hoje – preenchendo todo esse espaço e aliviando um pouco do nó formado na garganta, como sempre foi.

As luzes que podem ser vistas formando desenhos pelos prédios ainda são as mais lindas, mas especialmente hoje, bateu uma saudade de conseguir ouvir os raros sons de de uma pacata cidade. Engraçada essa vida: a gente passa ela todinha desejando sair de um lugar, onde depois vamos descobrir ser o único capaz de nos fazer sentir verdadeiramente em casa.

Olhando para os lados da onde estou agora só consigo perceber como a cena faz jus à data – algumas coisas espalhadas, papeis em cima de papeis e um varal com algumas roupas que passou a ser parte do cenário. E assim eu me encontro: Nostálgica, um tanto cansada, com muita saudade e ao mesmo tempo uma enorme gratidão. Acho que crescer é isso. Aprender a agradecer, mesmo quando tudo para desmoronar por dentro.

E continuar sorrindo. Sempre.

Nayara Rosolen