Playlist da semana: 4 anos sem Chorão (CBJr)

Há exatos 4 anos tivemos a triste notícia que o vocalista de uma das bandas de rock mais queridas do Brasil havia falecido. Chorão marcou a minha infância e adolescência, como a de milhões de brasileiros. Desde a época em que o som de “Te Levar” entrava na minha casa todos os dias a tarde na abertura de malhação, as rodas que meus amigos formavam no colégio para cantar suas músicas, até os vários momentos que tenho marcados com as suas melodias.

Nunca achei que pudesse ouvi-las tão de perto da própria banda, mas tive a oportunidade de assistir um show no litoral, em 2012, um ano antes do cantor nos deixar. Prometi que iria nos próximos, mas não deu tempo. Foi impossível não se chocar e mais difícil ainda é lembrar a saudade que deixou.

Portanto, nada mais justo do que hoje dedicar uma playlist todinha para relembrar os bons momentos e as letras que mais ficaram marcadas, em homenagem à ele, que cantou tanta realidade e tantas coisas bonitas:

Proibida pra mim 

Te levar 

Só por uma noite 

Longe de você 

Me pirou o cabeção

Dias de luta, dias de glória 

Senhor do tempo 

Ela vai voltar 

Só os loucos sabem 

Me encontra 

Céu azul 

Meu novo mundo 

Um dia a gente se encontra 

Para finalizar esse post, uma citação dele, que era O cara:

Então, se você tem pai, se você tem mãe, se você tem uma casa, se você tem uma comida na mesa, se tem uma cama limpinha, quentinha, se você tem saúde, se você enxerga, se você escuta, se você se supera, se você erra e aprende com o seu erro, aí você é feliz, aí você tem tudo!

-Chorão

Facebook | Instagram do blog | Instagram pessoal |Twitter | Snapchat: nayrosolen

Playlist da Semana: Férias

Infelizmente logo, logo as minhas férias acabam. Em menos de um mês as minhas aulas voltam, por isso estou aproveitando cada segundo que tenho livre. Mesmo trabalhando desde o final de dezembro, tento curtir as horas que tenho fora do trabalho para descansar.

Uma das coisas que eu mais amo fazer é escutar música. As melodias tem o dom de mudar o nosso humor, seja para nos alegrar ou relaxar. Mas só tem uma coisa que eu amo mais do que ficar com os fones no ouvido: viajar com eles. Eu AMO pegar estrada, conhecer outros lugares, revisitar alguns que eu já conheço. E tudo só melhora com uma trilha sonora.

Essa semana eu irei viajar (vou falar um pouco mais sobre isso nos próximos posts) e já comecei a montar minha Playlist. Tenho escutado algumas músicas bem gostosinhas, leves, que deixam a gente em paz e outras mais agitadas que deixam o astral lá em cima. Vou compartilhar algumas delas aqui com vocês. Bora la:

I dont wanna know – Maroon 5
Closer – Chainsmokers ft. Halsey
Castle on the Hill – Ed Sheeran
Oitava dose – Matheus e Kauan
Agora eu quero ir – Anavitória
Cold Water – Major Lazer ft. Justin Bieber & MO
Raspão – Henrique e Diego ft. Simone e Simaria
I’m Yours – Jason Mraz
Quem me dera eu te encontrar – Ari ft. Dom R, Play, Duvale e Tiankris
Hear Me Now – Alok, Bruno Martini ft. Zeeba 

Esses são meus vícios do momentos, galeris! Umas mais antiguinhas, outras mais recentes. De vez em quando me pegando viciando em música que já fui viciada tempos atrás Hahahaha Vocês também são assim? O que andam escutando?

Beeeijos,

Sigam-me os bons: Snapchat: nayrosolen ↠ Página do blog  ↠ Instagram

2016 em 6 músicas #RetrospectivaSPE

Bom dia, lindjos!!!

Chegamos ao nosso último post de retrospectiva. E, claro, eu não poderia deixar de falar sobre as músicas que fizeram 2016. O sertanejo, principalmente das mulheres, estourou. O funk também ganhou ainda mais força. Foi um ano difícil para quem não gosta dos estilos e maravilhoso para os que gostam de tudo, assim como eu. Mas não teve só isso não, foi um ótimo ano para a música e para nós, que não tiramos os fones do ouvido.

Foi muito difícil escolher só 6, eu escutei muuuita coisa esse ano, mas umas sempre se destacam mais que outras. Selecionei pelo que eu mais escutei.

Ela só quer paz – Projota 

Eu amo Projota, inclusive essa música esteve em uma playlist de vícios aqui no blog, foi uma das primeiras de 2016 que não queria mais sair da cabeça.

50 reais – Naiara Azevedo ft. Maiara e Maraisa 

Sobre essa eu nem preciso dizer nada né? Minha quase xará estourou com essa música em todos os lugares.

Work – Rihanna ft. Drake 

Riri causou no clipe da música com o Drake rebolando muuuito, várias paródias foram feitas. Não dá pra negar que grudou na cabeça.

Eu sei de cor – Marília Mendonça 

Se esse ano não foi de Marília, não sei de quem mais pode ter sido. “Infiel” provavelmente foi a que mais se popularizou, mas decidi compartilhar com vocês uma das mais recentes que ficou na cabeça.

Bumbum Granada – MCs Zaac e Jerry

Ano passado também foi do funk. São inúmeras as que eu poderia ter citado aqui, mas aparentemente essa ficou internacional Hahahaa Até uma das integrantes do Fifth Harmony fez um snap dançando a música.

10% – Maiara e Maraisa 

O que tem de garçom que não deve estar mais suportando ouvir essa aqui, não deve ser pouco não Hahahaha Mas, vamos combinar, virou chiclete, assim como todas as outras das gêmeas.

Bônus: Deu Onda – MC G15

Alguém tira essa música da minha cabeça, POR FAVOR??? Chegou no finalzinho, mas pegou todo mundo.

Quais as músicas que não saíram da cabeça de vocês em 2016???

Agora sim, chega de 2016 e bola pra frente! Nosso 2017 no blog começa segunda com post novinho ❤

Beeeijos,

Sigam-me os bons: Snapchat: nayrosolen ↠ Página do blog  ↠ Instagram

 

Conto de Natal: Palavras e Melodias (Parte Final)

(Leia a parte 4)

Leia escutando: Last Christmas – Carly Rae Jepsen

Quando o despertador tocou as 10h, Augusto demorou a acreditar que a noite anterior realmente tinha acontecido. Fechou os olhos três vezes, passou as mãos pelo rosto e repassou todas as cenas em sua mente. Se despedir tinha sido difícil. Era realmente muito bom para acreditar que aquilo poderia se repetir algum dia. Mais difícil ainda era não saber se em algum momento se veriam novamente. Ao passar pela recepção enquanto ia devolver as chaves do restaurante, a dona do Hostel o chamou. 

– Deixaram isso para você hoje de manhã. – disse lhe entregando um envelope. O garoto abriu com toda a ansiedade que tinha dentro de si, achando que poderia ser algo de sua família. 

“Obrigada por me mostrar a verdadeira magia do Natal. Minha passagem pela cidade não seria tão especial esse encontro que as vida nos proporcionou. Quero fique com isso e nunca se esqueça: quando olhar o céu, a estrela mais brilhante será a luz que colocou na minha vida, mesmo que em poucas horas.” 

Remexeu no fundo do pacote e puxou consigo um colar com uma pequena estrela. O mesmo que ela usou na noite anterior. No final do papel dizia: 

“Voltarei para buscar – Você e o colar. Com amor, A.”

– E como vocês conversavam vovô? – perguntou sua neta

– Não mantivemos contato por um bom tempo. – coçou o queixo pensativo

– Mas como assim? Nem uma mensagem por WhatsApp? – Disse retrucando e toda a família toda riu novamente.

– Naquela época não existia a facilidade que hoje se tem com as tecnologias. Eu não tinha seu endereço e ela não enviou nenhuma carta. – deu com os ombros um pouco cansado

– Mas vovô… – levantou a garota agitada andando pela sala – Vocês foram casados 38 anos. Nos contos de fadas como o de vocês, o príncipe… – apontou para o avô em uma fotografia – conhece a princesa – apontando para a avó que estava ao lado do marido na foto – eles se apaixonam e nunca mais se largam, são felizes para sempre. – suspirou e rodou dançando. Todo mundo ria ainda mais.

– Isso aconteceu – assentiu o avô – mas só no verão seguinte.

– Como foi que vocês se reencontraram? – perguntou mais calma levantando a sobrancelha e se aproximando novamente.

– Eu fui convidado para tocar em uma livraria, no lançamento de um livro. Mesmo que eu não tivesse muita experiência nesses eventos, os contratantes disseram que a autora tinha me ouvido tocar uma vez e fazia questão que eu fosse.

– A vovó… – interrompeu um dos garotos e ele concordou.

– Vocês conversaram?

– Nos casamos na semana seguinte. – respondeu com firmeza.

– Ohhhhh – todos fizeram um coro de surpresa.

– Vocês não tiveram medo de se arrependerem, papai? – perguntou a filha mais nova com seu filho recém nascido no colo.

– Na hora não. Estávamos extasiados com nossos sentimentos. Talvez depois tenha batido um receio. Mas no ano seguinte, quando me vi pegando pela primeira vez a sua irmã mais velha no colo, assim como você segura seu filho agora, tive certeza de que ela era a mulher da minha vida e com ela construiria toda a minha família. – ele apontou com a mão para eles – E eu estava certo. – sorriu sentindo seus olhos umedecerem.

Nesse momento nada mais precisava ser dito. Todos tinham entendido o verdadeiro significado de toda a magia que existia no natal: o amor. Um abraço coletivo foi dado e assim todos começaram a se preparar para a ceia, que estava há quinze minutos de acontecer.

Seu Augusto limpou as lágrimas, fechou seu velho amigo piano e estava prestes a entrar na cozinha quando viu pendurada aquela estrela que brilhava como se fosse a primeira vez que a vira. Andou devagar até a estante, pegou o colar e ficou olhando para o objeto na palma de sua mão. Ao virar a cabeça para a janela, viu no céu o ponto mais brilhante no mesmo lugar de sempre. Sentiu uma saudade boa atacar seu peito, mas dessa vez não veio nenhuma lágrima. Fechou o colar em sua mão e o guardou no bolso. Essa noite, mais do que nunca, queria senti-la com ele.

Olhou para o céu mais uma vez e, sabendo que onde quer que estivesse sempre estaria ali, deu uma piscada e sorriu com amor.

Conto de Natal: Palavras e Melodias (Parte 4)

(Leia a parte 3)

Leia escutando: Santa Tell Me – Ariana Grande

– A vovó foi, vovô? – perguntou curioso um dos garotos menores

– Era a vovó, não era? – ergueu a sobrancelha outro que estava ao seu lado

-Vocês se beijaram? – disse uma das meninas suspirando enquanto juntava as duas mãos

Augusto ria calmo com o bombardeio de perguntas vindas dos pequenos. Coçou sua barba rala no queixo enquanto percebia que toda a família havia se reunido para escutar a história com sua mulher. Suspirou cansado com um tom de saudade. Sorriu para todos eles e pareceu distante novamente enquanto concordava com o que perguntavam.

– Vovó era a mais linda da noite. Chegou no mesmo horário de sempre, mas tinha consigo uma luz muito maior do que eu observara antes. – disse o velho como se estivesse presenciando o momento.

Depois que todos os clientes haviam ido embora do restaurante, a morena misteriosa continuava em seu lugar de sempre. Augusto continuava tocando sem parar de observá-la. Parecia perdida em pensamentos e escrevia sem parar em seu bloco de notas. Encarou o barman quando percebeu que ele lhe dava um sinal e foi parando a melodia aos poucos. Ao se aproximar, o moreno que ia tirando o avental deu sorriso como se dissesse algo e apontou a cabeça para o lado da garota. 

– Feliz natal, rapaz. Não abuse muito, preciso delas de volta até as 11 da manhã. – disse entregando-lhe uma chave e saindo pelos fundos do restaurante

Augusto acenou com a cabeça sem saber o que falar, ficou olhando as chaves do estabelecimento em suas mãos por alguns segundos e as guardou no bolso lentamente ao olhar para a mulher de costas a sua frente. O local tinha se tornado grande demais apenas para os dois e poderia fazer eco, não fosse uma música que tinha começado a tocar como um sussurro nas caixas de som. Foi se aproximando aos poucos até sentar em um banco ao seu lado.

– Prazer, Augusto. – disse ele deslizando as mãos pelo balcão até a dela e puxando para dar um beijo. 

A garota olhou assustada dando um leve pulo no banco e colocando a outra mão sobre o lado esquerdo do peito. 

– Oh, desculpe! Vocês já estão fechando?

– Não… Quero dizer, sim, mas… É… – ele coçou a nuca e foi se levantando – Todos já foram embora, mas gostaria de lhe oferecer algo para beber. Percebi que você está aí há horas… – Começou ele já pegando algumas garrafas – E se você não se importar, tenho te observado já há alguns dias… O que uma mulher tão bonita está fazendo sozinha em um bar na noite de Natal? – ergueu uma sobrancelha e viu um sorriso surgir no rosto dela. 

Seu nome era Adelaíde, tinha 21 anos e estava na cidade para terminar um de seus livros. Augusto descobriu que cresceu órfã na periferia de uma das cidades mais populosas do mundo, São Paulo. Assim que começou a ganhar seu dinheiro e ficar conhecida por suas escritas, pegou fez as malas e saiu viajando pelo mundo para criar novas histórias. Nunca soube o que era passar datas importantes como essa em família, mas sempre acreditou na magia do Natal. 

– senti uma energia muito boa quando entrei aqui pela primeira vez e, espero que você também não se importe, mas sua música inspirou alguns capítulos. – disse ela um pouco desconfortável fazendo com que Augusto sentisse alguma coisa estranha vindo do seu estômago. E não era só a fome.  Adelaíde pediu insistentemente para que tocasse mais, até convencê-lo. 

– Você tocou essa música, vovô? – perguntou uma das crianças fazendo com que ele voltasse ao presente.

– Exatamente essa – assentiu com a cabeça e deu mais um sorriso carinhoso para os netos

– Ah é? E quando foi que aconteceu o beijo hein? – insistiu a garota dando uma piscadela para o avô. Todos em volta riram enquanto a filha mais velha de Guto a repreendia.

Augusto contou a noite que teve tocando enquanto sua futura mulher rodopiava pelo salão, a conversa sobre suas infâncias e os sonhos que de tão altos acabam trombando.

Deitados no meio do salão eles olhavam o teto estrelado feito pelas luzes. A cabeça da mulher encostada em seu peito fez com que seus olhos se encontrassem quando girou para cima. Ele tocou seu rosto e se aproximou dando um leve beijo receoso por sua reação. Ela sorriu e sua expressão acalmou-se. Olhando no relógio, já se passavam das cinco da manhã. 

– Quando vou poder vê-la novamente? – disse levemente ansioso 

– O meu voo para o Rio de Janeiro sai em 4 horas…

(Continua…)

Conto de Natal: Palavras e Melodias (Parte 3)

(Leia a parte 2)

Leia escutando: Santa Claus is coming to town – Michael Bublé

Nova York, 24 de dezembro de 1976.

Nas últimas três semanas, Augusto havia passado de bar em bar mostrando sua música para as pessoas. Em alguns casos até conseguia alguns trocados, já em outros mal ganhava uma refeição. Nada tinha começado tão bem quanto ele sonhava, mas uma oportunidade tinha aparecido e ele esperava que aquela fosse sua grande chance de começar a crescer.

Em duas ou três ocasiões tinha chegado a tocar em um dos bares mais renomados do bairro. De início, se sentiu fora da caixinha. As pessoas eram elegantes, daquele tipo que parece que já nasce com a postura ereta e calma, como se vivessem em slow motion. Trocavam olhares, alguns discretos sorrisos, mas na maioria das vezes não conseguiam enxergar quem tocava as melodias que usavam para trocar alguns passos com seus parceiros. De qualquer forma, era o tipo de gente que também poderia lhe proporcionar algumas grandes e boas oportunidades. E era li que passaria sua noite de Natal.

Saiu de casa um pouco antes do necessário, afim de conseguir conversar com sua família. Discou os números no primeiro telefone público que encontrou e sentiu seu peito apertar de saudade ao escutar a voz de sua mãe. Ainda que eles estivessem preocupados com o garoto, sabiam que nada o faria voltar atrás. Era teimoso e persistente. Depois de ficarem longos minutos naquele cansativo papo sobre ele estar se cuidando e a falta que fazia, desligou e correu o quanto antes para o trabalho.

Ao entrar pela porta viu que o lugar, que já era elegante, havia se transformado em uma cena de filme. As mesas todas com toalhas vermelhas e decoradas de acordo com a data, tecidos e mais tecidos desenhavam no teto caindo pelas laterais das paredes. Todos os funcionários estavam igualmente uniformizados e da cozinha vinha um cheirinho especial. Era cheirinho de Natal. Sentiu seu estômago roncar e passou a mão pela barriga rindo enquanto se dirigia ao piano. Estava brilhando como nunca.

Sentou-se no banquinho na frente das teclas e começou a tocá-las sem muito nexo. Seus dedos iam de um lado ao outro como se estivessem aquecendo para uma grande noite. E era. Mesmo sem pensar muito o garoto parecia tocar algo ensaiado. Quando menos percebeu, estava soando a mesma melodia que vinha martelando em sua mente incansavelmente há dias. Fechou seus olhos e podia imaginá-la ali, a garota de olhos misteriosos.

Ela aparentava ser da sua idade, talvez uns dois ou três anos mais velha. Sempre chegava no mesmo horário, por volta das 20h30. Mesmo muitos homens a oferecendo companhia para jantar, a resposta era sempre a mesma: um balançar de cabeça negativo e uma virada de costas. Ela pedia um ou dois drinks e mergulhava em seu bloco de notas, deixando o local bem próximo de fechar. Por mais que pudesse parecer grosseira com suas recusas, Augusto pensava que ela era uma dessas raras que gostariam de algo muito mais profundo do que apenas algumas palavras trocadas com um desconhecido que acabaria levando-a para a cama e se esquecendo de seu nome na manhã seguinte. Além do mais, aparentemente era a única que havia notado a presença do garoto enquanto tocava. Isso já havia se tornado rotina há alguns dias, quando aqueles olhos penetraram nos do músico pela primeira vez. Ainda que por poucos segundos, ele sentia que significava muito mais do que aparentava. E esperava acabar com essa agonia naquela noite, caso ela aparecesse. Ele torcia para que sim.

Abriu os olhos atentos ao ouvir o barulho alto das portas sendo abertas. Todos os garçons estavam posicionados e aos poucos foram se movimentando com a chegada dos clientes. Eles os direcionavam para suas devidas mesas que deviam estar reservadas. As reservas esgotaram 5 meses antes da data. Guto agradeceu por sua musa inspiradora gostar mais do bar do restaurante, que ficava livre para a chegada das pessoas.

A cada novo andar de saltos altos, girava a cabeça em alerta para a porta afim de reconhecê-la. O relógio marcava 19h37. Ao que tudo indicava seria uma grande e longa noite…

(Continua…)

Playlist da Semana: Músicas para agitar sua festa de Halloween!

Bom dia, galerisss! 🙂

Como já comentei em um post sobre festa de Halloween aqui no blog há algumas semanas (Inspiração: Halloween – Decoração), amanhã é dia de dizer “Doçuras ou travessuras?” Hahahaha  E vamos combinar que não adianta a decoração mais linda e criativa, as comidas mais gostosas (na verdade isso ajuda sim rs) e as fantasias mais incríveis se não tiver uma boa playlist para animar a galera, né?

Infelizmente, eu não vou participar de nenhuma festa esse ano, mas confesso que enquanto eu selecionava algumas músicas para compartilhar com vocês, entrei no clima da data e bateu uma saudadezinha de quando me juntava com os meus amigos do colégio. Mesmo que fosse simples, a gente sempre se divertia muito!

Espero que vocês aproveitem também:

Michael Jackson – Thriller 

deadmau5 feat. Rob Swire – Ghosts N Stuff

Panic at the Disco – This is Halloween

AC/DC – Highway To Hell

Lady GaGa – Monster

Addams Family – Vic Mizzy

Um ótimo Halloween para quem vai dançar e se divertir muito! E para quem vai aproveitar a data em casa (como eu rs), um bom fim de semana de descanso! ❤

Beeeeijos,

Sigam-me os bons: Snapchat: nayrosolen ↠ Fanpage ↠ Instagram

hallo22