#BDIndica: 3 Lugares para conhecer!

Oi geeente, mais um post em parceria com a Naty, do blog Japaneza, na nossa semana de blogagem dupla!

Viajar é um dos maiores prazeres que a gente tem a oportunidade de viver, são sempre novas culturas, pessoas diferentes, costumes que vêem para agregar e eu sou apaixonada por uma estrada, mesmo. Se pudesse estaria viajando sempre e ainda tenho muitos planos de conhecer vários lugares de diferentes partes do mundo. Mas nós não precisamos ir muito longe para conhecer coisas incríveis e esse post vai ser prova disso.

Eu moro no Paraná e minhas viagens de férias nunca foram tão mais longes do que o litoral do estado onde eu moro e de Santa Catarina, com a exceção desse primeiro destino que irei contar para vocês:

Rio Quente-GO

Na cidade onde eu morava, todos os anos tem excursões para algumas cidades e resorts de Goiás e há uns 8 ou 10 anos atrás eu fui com meu irmão e uma tia. Lá você tem as opções de ficar em hotéis dentro dos resorts ou nas cidades e ir com um ônibus todos os dias para os parques, nós ficamos em um hotel fora. Acho que as fotos dizem mais do que qualquer coisa né? É tudo muito lindo, o Hot Park que era o que nós íamos é gigante e meu irmão quase chegou a se perder lá em um dos dias, salvo por um amigo que achou ele sem saber pra onde ia Hahahaha São dezenas de piscinas, algumas com água quente (que são uma delícia), cascatas, trilhas, tobogãs enormes e ainda tem uma área mais rasa com com brinquedos para as crianças. Na época ainda estavam construindo a praia artificial, mas como podemos ver na foto abaixo ela foi concluída e parece ser demais! Mesmo com a distância longa e as várias horas de viagem, já que fomos de ônibus, vale MUITO a pena!

Ilha do Mel-PR

Essa Ilha, que fica aqui no Paraná mesmo, eu fui quando era beeem pequenininha, mas só pelas fotos a gente pode ver como é lindo e tranquilo. A gente saí de barco de Paranaguá por uns 30 minutos mais ou menos até chegar e lá, é colocar os pés pra andar, porque não tem a circulação de veículos, tudo é na areia e na caminhada (dei um pouco de trabalho pra family rs) e tem até mesmo um limite de pessoas que podem entrar na ilha por dia: 5 mil! Temos alguns pontos que chamam mais a galera.

Florianópolis-SC

Floripa é referência né? E quase se tornou meu lar assim que eu terminei o Ensino Médio. Hahahaha A vida tomou outros caminhos, mas naquele mesmo ano eu fui conhecer a capital de Santa Catarina e me apaixonei com a beleza natural, mesmo que tenham sido 3 dias bem difíceis por conta do calor e de uma virose que eu peguei (tudo pra ajudar). Ainda assim, eu fiquei encantada pelo lugar. Nós ficamos na Praia de Joaquina, um local do qual provavelmente eu não ficaria mais pelas poucas opções do que fazer. Mas isso não é problema, já que a cidade conta com mais de 40 praias. As dunas também são incríveis e a cada lugar que a gente passava eu parecia aquelas pessoas esbabacadas de filme que chega em um lugar e não acredita no que está vendo sabe? kkk Um dos destinos mais lindos que eu já vi, senão o mais. Ela já foi eleita o destino do ano em 2009 pelo New York Times. Também já levou o título de uma das dez cidades mais dinâmicas do mundo, o melhor lugar para se viver no Brasil e cidade com o melhor ambiente para empreendedorismo do país.

E pra vocês, quais são os lugares que mais amaram conhecer e indicariam???

Beeeijos e até amanhã ❤ 

Vocês podem me seguir nas redes sociais:

Snapchat: nayrosolen ↠ Fanpage ↠ Instagram ↠ Twitter  

large (14)

Você sabe o que é? – Wanderlust!

fac516285aa8f58845c710bf042a5911.jpg

Você tem frequentemente uma vontade incontrolável de viajar, conhecer novos lugares, rodar o mundo? Sente prazer em estar na estrada (ou “nas nuvens”)? Já pensou em simplesmente pegar uma mochila e seguir esse desejo? Pois, então, saiba… Você “sofre” de Wanderlust!

Mas de onde surgiu?Leia mais »

Essa viagem chamada “vida”!

image3

Esses dias me peguei pensando em como essa vida é louca. Sério, você já olhou para os últimos dois anos da sua vida e conseguiu enxergar o quanto tanta coisa pode acontecer em 730 dias sem ao menos a gente perceber? É bastante tempo, eu sei, mas é como se os dias simplesmente fossem nos empurrando e não tivéssemos escolha, embora estejamos sempre cheios de decisões a tomar.

Olhando para a minha vida, o balanço foi mais ou menos esse: duas saídas de casa, uma escolha feita por impulso (mas que não significa que foi perdida, pelo contrário, trouxe muitas experiências), vários encontros e desencontros, alguns meses sem rumo e um grande passo tomado. Que, aliás, só pode ser percebido o quão grande foi, após essa análise. E a gente precisa disso, dessas reflexões. Quando eu ia à terapia, minha psicóloga me olhava e falava “Você já saiu de casa uma vez, consegue ver o quanto isso é grande?” e eu sabia que era, mas pra mim parecia ter sido tão normal (por querer tanto sair de casa logo) que eu não havia percebido o tamanho da coragem que tive. E pode não ter sido algo tão gigantesco, mas qualquer mínimo passo que você dê para o lado contrário da sua “zona de conforto”, já é um grande avanço.

Enquanto eu escrevo, comecei a lembrar de alguns outros episódios e do quanto eu queria me tornar independente, mas ao mesmo tempo tinha medo de me jogar sem certeza alguma, de como me adaptaria ou teria que me acostumar com coisas bem diferentes da minha realidade. E ter dado esse passo não significa que o medo tenha me deixado, mas uma vez li uma frase que dizia “Para se ter coragem é preciso que exista o medo”, algo mais ou menos assim. Isso me fez refletir, muito… E as vezes é até bom sentir aquele friozinho na barriga, vai?

Foi pensando em como estamos sempre reclamando, achando que a nossa vida não vai para frente, que as coisas não dão certo e que muitas vezes desanimamos, que cheguei a conclusão de que não nos damos a chance de enxergar cada passo, por menor que seja, que damos a cada dia. E são esses pequenos passos que, somados, fazem de nós grandes pessoas em busca dos nossos maiores sonhos.

Um passo de cada vez e a gente chega lá, basta acreditar!

Nayara Rosolen

Mudança!

bd2172a5fbd5ca65b5c854489823feb9

Quem me conhece sabe que desde criança o meu sonho era: morar em Curitiba!

Nasci, cresci e vivi até quase meus 18 anos na minha cidadezinha com pouco mais de 7 mil habitantes.

Me mudei logo após terminar o Ensino Médio para uma cidade (bem) maior – mas ainda não era Curitiba, ganhei bolsa em uma faculdade para Gastronomia, morei com familiares, depois sozinha e decidi que não era o que eu queria. E aí, minhas escolhas eram: A) Terminar uma faculdade mesmo sem gostar, mas com uma graduação e alguma esperança; B) Tentar trocar de curso; C) Deixar a faculdade e arrumar um emprego para ir me sustentando enquanto decidisse o que fazer. O que eu fiz?  Voltei para a minha cidade.

Quê???????? Mas não era você que sempre sonhou em mudar de lá????

Sim, voltei (literalmente) chorando. E foi a melhor decisão que eu poderia ter feito no momento. Tive tempo para pensar, repensar e pensar mais um pouquinho no que faria a partir dali. Fiz terapia (beijos, Kely, saudades poder ficar desabafando), mudei meu hábito de vida (por uns 3 meses, mas ok, o que vale é a intenção), trabalhei e me aproximei mais da minha família (<3) e tomei uma decisão que me trouxe até onde estou agora…. Dividindo apartamento com dois amigos, desempregada e cheia de conta para pagar (risos).

Brincadeiras a parte, estou dentro do sonho que eu idealizava desde a infância. Independente, vivendo minha própria vida, tomando minhas próprias decisões, pagando minhas contas com o meu dinheiro (pelo menos até as economias acabarem, me contratem, por favor!) e correndo atrás dos meus sonhos, mas o mais importante…

EM CURITIBA!!!!!

E só um texto (que eu já escrevi tem um tempinho), pode descrever a sensação de tudo o que aconteceu durante esse último mês…

“Ir embora, ou diria melhor, em busca de autoconhecimento, vai muito além de sair de um ambiente que já não é agradável há um tempo, até porque, de certa forma, os problemas acabam indo com a gente onde quer que a gente vá. Poderia dizer que é um sonho de menina, que nunca do lugar onde cresceu, mas acho que é muito mais sobre o quanto essa menina cresceu e precisa ir em busca das próprias escolhas.

Não que vá ser fácil, afinal, sair da casa dos pais acarreta em um punhado de responsabilidades das quais antes não tínhamos que nos preocupar. Saber se cuidar e administrar o lugar onde vive “sozinha”, pagar as próprias contas e, o mais importante, conseguir encontrar um emprego para que tudo isso possa ser colocado em prática.

Mas, tirando toda essa parte que eu diria burocrática da vida, ir para um lugar novo é sempre renovador. Conhecer novos lugares, fazer novas amizades e conseguir identificar o que realmente vem de você ou o que foi imposto a vida toda.

E, no meio de tudo isso, crescer. Saber o que quer para a vida e encontrar um caminho para algo o irá deixar feliz fazendo.”

Tudo isso era mesmo só para dar uma “explicação” pela minha sumida (que também pode ser explicada pelo meu notebook que simplesmente resolveu pifar depois que eu me mudei e só funciona quando quer) e dizer que depois dessa mudança provavelmente muita coisa nova e boa irá aparecer por aqui!!!

Saudades de vocês!!!! Beeeijos :*